Uma história verídica

menino

Era uma vez um menino de 4 anos com leucemia, uma doença grave. Ia todos os meses ao Instituto Português de Oncologia para ter um tratamento de quimioterapia. Tinha muito medo das agulhas e costumava gritar e espernear no consultório quando chegava a hora. Depois ele viu o episódio 8, em que o Ginja mostra que não podemos controlar os acontecimentos mas podemos sempre escolher o nosso comportamento. Na próxima visita, ele respirou fundo, disse "eu posso escolher" e ficou sentado sem se mexer durante a picada. Olhava orgulhoso para a mãe e dizia, "Portei-me bem, não portei?" A mãe concordou, muito emocionada. As enfermeiras achavam que parecia outra criança. No mês seguinte, também se portou muito bem. Até o médico na consulta notou a diferença e perguntou à mãe, "O menino cresceu e mudou muito, o que aconteceu?"

Testemunhos

As famílias registadas podem dar uma avaliação a cada episódio que vêem. Temos 342 avaliações com uma média de 96% de satisfação.

Os seguintes testemunhos provêm de famílias com quem vamos falando (anonimizados e publicados com autorização):

menina

Eu gosto do Ginja porque aprendo muitas coisas importantes. Ensina a lidar com as emoções, que todos temos emoções... Também acho que tiveram uma boa ideia em fazerem atividades para as crianças como emocionário, menu de emoções e muitas outras.

~ Filipa R., 10 anos

menina

O Ginja entrou completamente na rotina diária do P., já sabe muitos dos episódios de cor! E aplica muitas vezes no dia a dia o que aprendeu com o Ginja! E muitas vezes, no início de uma birra, basta eu dizer "ai o Ginja", para se abrir logo um sorriso e a birra desaparecer, ou para me explicar o que está a sentir! Obrigada pelo vosso trabalho! Beijinhos nossos!

~ Mafalda, mãe de criança de 5 anos

menina

A minha filha de 5 anos tinha dificuldade em expressar as emoções. Agora mudou de comportamento: em vez de explodir ou chorar, diz 'Acho que tenho uma emoção' ou 'eu sinto tristeza'. A educadora do jardim de infância transmitiu-me que parece outra criança. E isto foi em parte com a ajuda do Ginja.

~ Susana R., neuropediatra e mãe

menina

Gosto do Ginja pela calma que transmite ao meu filho de 6 anos: a música, o tom de voz e o conteúdo. Tínhamos um problema diário durante vários meses em que ele sentia raiva, tristeza e irritação. Graças ao vídeo personalizado que o Ginja fez sobre esta situação, notei uma grande diferença: o problema deixou de ser assunto e ele agora está confiante que consegue resolver.

~ Carmen R., mãe de 2 crianças, 36 anos

menina

Os conteúdos são úteis. Acho que as crianças têm esta intuição mas não sabem falar sobre emoções e isto ajuda-as a organizar as ideias e a verbalizar.

~ Paula, educadora e mãe de 2 crianças, 47 anos

menina

Tanto o J. (13 anos) como a I. (8 anos) gostam e ficam entusiasmados quando sugiro vermos mais um episódio. O J. aplica espontaneamente as mensagens e também as reconhece, posteriormente, em alguns momentos do seu dia a dia ... Muito obrigada pelo vosso trabalho, é muito útil!

~ Catarina, médica e mãe de 2 crianças, 42 anos

menina

O D., de 4 anos, tem mencionado várias vezes pormenores dos episódios a meio de conversas triviais, mas que trazem à luz algum detalhe que ele reteve com muita clareza. Se acontece alguma coisa semelhante ao que está nos episódios, ele faz a ligação e diz: "Isto é como o Ginja" ou "Isto é como o Sabichão".

~ João, pai de 1 criança, 45 anos

menina

As minhas filhas de 6 anos já pediram para ver os episódios anteriores várias vezes, vão acabar por saber aquilo de cor. Elas gostam imenso, cantam e respondem às perguntas do Ginja.

~ Cristina, mãe de 6 crianças, 40 anos

menina

Projecto maravilhoso! Estamos todos a adorar cá em casa :) E também porque abre portas para outras conversas. E quando estamos a conversar e me refiro aos vídeos, a minha filha de 6 anos tem algo palpável que serve de exemplo.

~ Teresa, mãe de 3 crianças, 41 anos

menina

Um dia, a minha filha de 7 anos estava muito triste. Tinha vontade de chorar e nem percebia porquê. Lembrei-me de lhe apresentar o Ginja para introduzir a conversa sobre sentimentos. Ela ficou alegre de ver o fantoche e queria logo ver os episódios seguintes. O Ginja tem sido uma grande ajuda para falar sobre sentimentos com os meus filhos. A minha filha canta, responde ao Ginja, fala nas pausas, gosta muito de tudo... Um dia à mesa, ela perguntou, "como é que o Ginja faria?"

~ Joana, médica e mãe, 44 anos