Perguntas e Respostas (FAQ)

O que é o Ginja?

É uma série infantil pedagógica e lúdica que desenvolve competências socio-emocionais ("SEL", "Social and Emotional Learning"). Pensado para famílias e escolas que valorizam a inteligência emocional e com crianças entre os 5 e 10 anos (idades meramente indicativas), fornece 18 vídeos, canções, sugestões de conversa entre adultos de crianças, actividades manuais e podcasts educativos e de qualidade. As personagens dos vídeos são fantoches, chamados Fantósticos, e a personagem principal é o Ginja (o fantoche no logo da página). Cada dia de actividade leva entre 10 minutos e 1 hora a completar. Famílias e escolas podem usar o Ginja de forma autónoma, flexível e ao seu próprio ritmo (na verdade até as crianças).


Quem são as personagens?

A série tem seis personagens, os Fantósticos, listados abaixo por ordem de aparição.

O Ginja é empático e percebe o que os outros estão a sentir. A característica dele é que a cada vez que encontra alguém, começa a conversa com a pergunta “Como te sentes?” Tem confiança e gosta de aventura.

O Sabichão é engenheiro e muito intelectual. Fica um pouco atrás em inteligência emocional e relacional e tem pouca empatia. Acha que está tudo nos livros mas depois por vezes não funciona. Quando quis aprender a nadar, leu cinco livros antes de entrar na piscina.

A Becas é uma cientista com espírito prático. Tem uma personalidade um pouco despachada e acelarada. É organizada até ao perfeccionismo e gosta muito de fazer desporto.

A Gabi é divertida, gosta de piadas e de fazer coisas novas. É um pouco "bobo da corte". Costuma estar bem-disposta e tem as coisas desarrumadas e desorganizadas. Prefere ter emoções agradáveis e não sabe o que fazer com emoções desagradáveis, por exemplo entra em pânico quando alguém chora. Tem um pensamento "preto-ou-branco": acha que se tivermos uma emoção desagradável o dia está estragado e já não é feliz. É uma sonhadora, vive para o prazer e para desfrutar. Perde tempo a planear e sonhar, mas acaba por não concretizar.

O Gaspar é um pássaro tucano que passa férias no Brasil. É exótico, gosta de jogar futebol. Às vezes, sente-se diferente dos outros porque é um pássaro. Às vezes tem expressões brasileiras.

O Tobias tem uma obsessão com os super-heróis e quer ser um deles. Anda com uma venda nos olhos e uma capa. Gostava de poder voar.


Quanto custa?

O programa foi inteiramente gratuito até agosto de 2021. Se quiser manter o Ginja gratuito por mais um ano, pode apoiar a nossa campanha de crowdfunding no PPL. Se não conseguirmos atingir o nosso objectivo, o Ginja passará a um conteúdo pago. Não fizemos o Ginja por dinheiro, mas precisamos de dinheiro para continuar. A partir de setembro de 2021, uma inscrição gratuita dá acesso aos quatro primeiros episódios; o acesso aos restantes episódios requer pagamento.

No entanto, fizemos este programa para ajudar as crianças e queremos disponiblizá-lo para o maior número de crianças possível independentemente das suas posses. Se não tiver meios financeiros para pagar, por favor contacte-nos por email com informações sobre a sua situação.


Como é que ver estes episódios nos pode ajudar?

Os episódios, só por si, podem ajudar as crianças na "alfabetização emocional", isto é, a terem palavras para perceber o que sentem. Por exemplo, as crianças aprendem que temos quatro emoções básicas (medo, tristeza, raiva e alegria), e que todas as emoções são boas e importantes.

A magia do Ginja acontece quando as crianças seguem o programa com adultos importantes na sua vida, por exemplo familiares ou educadores, porque as relações humanas são a base da inteligência emocional. Graças ao programa, crianças e crescidos têm uma linguagem comum para falar de emoções. Os crescidos percebem conceitos abstractos, como emoções e sentimentos; as crianças gostam de histórias concretas; os nossos vídeos fazem a ponte entre os dois. Nós mostramos situações do dia-a-dia das crianças e damos aos adultos e crianças palavras concretas e histórias tangíveis para falarem sobre problemas, desenvolverem inteligência emocional, e experimentarem um comportamento diferente.

Um exemplo desta magia é esta história verídica do episódio 3, em que a Becas ensina que as emoções são provocadas por pensamentos e acontecimentos:

Era uma vez uma menina de 8 anos que às vezes tinha medo do escuro. Sentia medo sobretudo quando a mãe à noite lhe pedia para ir buscar alguma coisa do outro lado da casa. O problema era que, com as luzes desligadas, ela pensava que podia estar lá um ladrão... Depois de ver o episódio 3 e com ajuda da mãe, ela percebeu que sentia medo por causa de um acontecimento: as luzes desligadas! Então decidiu mudar o acontecimento. Ao acender as luzes, via que não havia nenhum ladrão e ia buscar as coisas que a mãe pedia sem sentir medo.

Umas semanas depois, apercebeu-se que na verdade, a causa do medo era um pensamento! Se a menina pensasse que estava um ladrão no escuro, ela sentia medo. Se não pensasse que havia um ladrão, não sentia medo. Percebeu que o medo vinha de um perigo imaginário e que, ao escolher o que pensar, podia não sentir medo e ser mais feliz. Então decidiu não pensar que havia um ladrão. Desde esse dia, começou a atravessar a casa no escuro sem precisar de acender a luz e sem sentir medo!


Quem está na equipa?

Temos uma panóplia de competências com uma médica de família, um engenheiro e duas actrizes. Esta pergunta é tão frequente que temos uma página com todos os detalhes aqui.


O programa é original?
Sim! Nasceu durante a pandemia em 2020 para dar resposta às dificuldades que as crianças à nossa volta, filhos e sobrinhos confinados em casa, tinham em lidar com as suas emoções. O argumento é escrito por Joana Castelhano e Miguel Morin a partir da sua experiência com crianças e a sua paixão por histórias bem contadas. A ligação de série com o Reino Unido vem do Miguel, que viveu lá durante 5 anos. Foi lá que arranjou os fantoches e fez um episódio de teste em inglês (que pode ver na versão inglesa do site).

O programa tem base científica?

Sim, o programa é baseado na evidência científica actual sobre emoções (nomeadamente da Terapia Cognitiva-Comportamental e da Análise Transaccional) e também na nossa experiência pessoal e profissional com emoções e crianças (a equipa é sobretudo a Joana, médica de família, e o Miguel, engenheiro e animador de crianças). Pode ver as mensagens principais de todos os episódios abaixo.

Também contribuímos para o debate público e académico e construcção de novos currículos escolares, onde constem programas socio-emocionais como o "Atletismo Emocional". Por exemplo, apresentámos o nosso programa no 11º Congresso Internacional de Psicologia da Criança e do Adolescente (XI CIPCA).

Programas de aprendizagem socio-emocional feitos presencialmente em escolas têm um impacto muito positivo nas crianças, como mostra esta revisão da literatura de 213 programas. Concluiu que as crianças nestes programas desenvolvem competências sociais e emocionais, atitudes e comportamentos, e que melhoram o desempenho escolar em 11 pontos percentuais em média. O estudo abrangeu 270 mil alunos do jardim-escola ao secundário.

Incluímos abaixo a evidência científica e bibliografia que serviu para os primeiros seis episódios. Para ver a evidência detalhada para cada episódio, e para ver a evidência que serviu nos outros conteúdos, precisa de se inscrever.

Kabat-Zinn, Jon (2005). "Wherever you go, there you are: Mindfulness meditation for everyday life", capítulo "You can't stop the waves, but you can learn to surf", p. 30, tem a analogia entre prática de meditação e ondas do mar.

Brackett, Marc (2019). "Feelings influence decisions" refere uma experiência (descrita no livro "Permission to feel: unlocking the power of emotions to help our kids, ourselves, and our society thrive", capítulo 2, "Emotions are information", secção "Emotions and decision-making", p. 32), em que professores foram aleatoriamente postos de bom humor ou mau humor (simplesmente passando 5 minutos a escrever sobre um dia bom ou mau) e a dar nota ao mesmo ensaio ("paper") mostrou diferenças de 3 pontos em 20, ou seja que as emoções dos professores afectam significativamente as notas que dão aos alunos. A publicação do blogue vai mais além que o livro e refere que esse efeito desaparece se os professores primeiro reflectirem sobre como se sentem, apercebendo-se que a razão porque não gostam do ensaio é porque estão de mau humor e não pela qualidade da escrita.

Beck, Aaron (1976), "Cognitive Therapy and the emotional disorders", capítulo 2, "Tapping the internal communications", secção "The hidden message" refere o modelo "A, B, C": Acontecimento (activating event), Pensamento (Belief), Consequência emocional.

Fielding, Lara (2015). "Listening to Your Authentic Self: The Purpose of Emotions" (blog) referencia que emoções assinalam uma necessidade importante: "Emotions signal a NEED: When something is important to us, we are supposed to feel emotions."

Goldstein, Joseph (2007). "A heart full of peace", p. 46, tem o exemplo que os pensamentos são como o feiticeiro de Oz, que o único poder que têm é o poder que lhes damos, e que para não sermos arrastados pelos pensamentos, uma forma é prestar-lhes atenção e treinar a mente com meditação.

Brackett, Marc (2019). "Permission to feel: unlocking the power of emotions to help our kids, ourselves, and our society thrive" capítulo 6, "L: Labeling emotion", tem a estratégia "If you can name it (an emotion), you can tame it" ou "Se consegues dar um nome à emoção, consegues amansá-la.")


O programa tem resultados?

Sim: fizemos duas avaliações internas do impacto do programa:

  • inquérito às famílias: 89% das crianças têm alguma mudança de comportamento, sobretudo estão mais felizes, têm mais coragem e estão mais calmas.
  • inquérito às escolas: a maioria dos educadores consideram muito verdade que o Ginja ajuda as crianças nas seguintes áreas: consciência emocional, bem-estar emocional, expressão emocional, resolução de problemas, auto-confiança, auto-conhecimento, empatia, coragem, menos agressividade e menos stress.

A íntegra dos resultados, por exemplo perguntas exactas e percentagem de cada resposta, está na página do impacto.


Onde estão os vídeos?

Para ver um exemplo de episódio, sugestões de conversa e actividade, carregue aqui. Para ver mais vídeos, sugestões de conversas e actividades precisa de se inscrever (porquê?).


Porque requerem inscrição?

As emoções são um tema sensível. Queremos assegurar que as crianças vêem estes conteúdos com adultos atenciosos, por isso damos acesso aos conteúdos através de inscrição com um endereço electrónico válido.

Este programa infantil é uma sequência de aprendizagens e os vídeos usam as mensagens dos episódios anteriores. A inscrição dá-lhe acesso aos vídeos na sequência certa para as suas crianças perceberem bem o conteúdo educativo.

Também nos permite medir o nosso impacto com o número de famílias e crianças a seguir o programa (medidas de impacto aqui).

Não disponibilizamos os vídeos no domínio público porque, como não temos publicidade, o que garante a sustentabilidade do projecto são os nossos direitos de autor.


Como me inscrevo?

Vá à página de inscrição e preencha os seus detalhes.


Onde posso mostrar os vídeos?

Damos autorização para usar os nossos conteúdos (imagem, marcas comerciais e vídeos) nos seguintes contextos:

  • uso doméstico e familiar: encarregados de educação a mostrarem os conteúdos às crianças em dispositivos móveis, computadores ou ecrãs de televisão;
  • uso escolar e bibliotecário: professores, bibliotecários, ou outros educadores a mostrar os conteúdos aos alunos no computador, num ecrã de televisão, ou num projector;
  • uso clínico e acompanhamento profissional: profissionais de saúde ou serviços de protecção de crianças a mostrarem os conteúdos aos seus clientes ou utentes.

Em todos estes casos, o Atletismo Emocional não é um substituto para ajuda profissional, por exemplo de um psicólogo ou psiquiatra, e não deve ser tido como tal.

Todos os outros usos dos nossos conteúdos (imagem, marcas comerciais e vídeos), incluindo por exemplo em cinemas, empresas, eventos ao ar livre, ou televisão (entre outros), estão explicitamente proíbidos sem a nossa autorização prévia, vão contra os termos e condições aquando da inscrição, e podem dar lugar a acção judicial da nossa parte. Se tiver dúvidas, por favor contacte-nos.


Como ganham dinheiro?

Somos uma empresa social e a nossa primeira prioridade é resolver os problemas que decorrem das crianças terem baixa inteligência emocional (saber mais). Queremos primeiro criar impacto e valor, e só depois capturar parte desse valor.

Mesmo assim, temos algumas hipóteses de vendas que os nossos utilizadores nos pediram e que vamos explorar com o objectivo de sermos financeiramente sustentáveis no fim de 2021:

  • Vender acesso aos conteúdos da série infantil por subscrição a famílias e escolas.
  • Vender uma licença a editoras para inclusão em programas virtuais para escolas.
  • Vender a série a escolas com representação dos episódios em teatro ao vivo e facilitação e partilha com as crianças.
  • Vender a série à televisão.
  • Vender sessões de "terapia de fantoches" por internet para as crianças falarem de emoções com o Ginja na presença dos pais.


O programa é só para crianças dos 5-10 anos?

Fizemos o programa para a faixa dos 5 aos 10 anos e fizemos muitos testes dos guiões e vídeos com crianças desta idade. No entanto, também funciona para outras idades:

  • 2 anos ou menos: sugerimos pôr as canções a tocar ou então descarregá-las (quando passarem do dia 14) e cantar com as crianças sem precisar de um ecrã. (Ambas opções requerem inscrição.) As canções contêm as mensagens principais da ciência das emoções de forma divertida.
  • 3-5 anos: famílias e escolas reportam que as crianças gostam e percebem parte das mensagens. Uma estratégia é rever o episódio até a criança saber a canção de cor e só depois passar ao próximo episódio.
  • 11-17 anos: famílias reportam que adolescentes acham os fantoches e as canções demasiado infantis para eles, mas que também aprendem muito quando ouvem "à boleia" dos irmãos mais novos. Uma estratégia em família é descarregar o podcast e ouvir no carro durante viagens. Uma estratégia em escolas é a turma ver o Ginja para apresentar às crianças mais pequenas.
  • 18 anos ou mais: muitos adultos e pais reportam que eles próprios aprendem sobre as suas emoções graças ao programa, dizendo que "este curso está feito para mim!" Adultos podem inscrever-se no programa mesmo sem ter crianças.


Qual é a vossa visão e missão?

A nossa visão é de um mundo melhor, em que as crianças de hoje são os líderes de amanhã e têm alta inteligência emocional e as qualidades de carácter que daí decorrem: trabalho em equipa, coragem, honestidade, empatia, resiliência, gratidão, e consciência social e ambiental.

Para chegar lá, a nossa missão é ensinar crianças a reconhecer o que sentem, perceber a razão e obter o que precisam; e também ajudar os pais e professores a criar um espaço para falar de emoções com as suas crianças.

O nosso primeiro objectivo é a felicidade das crianças.


Porque estão no Facebook?

Usamos o Facebook para divulgar notícias e artigos interessantes. Mas o conteúdo da série está apenas disponível na nossa página e não no Facebook.


O que são os vídeos que partilham no Facebook?

Os vídeos no Facebook não correspondem aos vídeos da série infantil. Fazem só parte da divulgação.


Quais são as mensagens principais de cada episódio?

Aqui estão as mensagens dos primeiros 6 episódios, baseadas na ciência. Cada episódio tem uma história e uma canção à volta da mensagem para as crianças se lembrarem bem dela.

  1. As emoções são como as ondas do mar: vêm e vão, não as podemos parar.
  2. As emoções são importantes porque influenciam toda a nossa vida.
  3. As emoções são provocadas por acontecimentos ou por pensamentos.
  4. Se tens uma emoção, é porque alguma coisa é importante para ti.
  5. A única forma de não sermos arrastados pelas emoções é prestar-lhes atenção.
  6. Dar um nome às emoções é o primeiro passo para fazer surf nelas.

Para ver todas as mensagens, precisa de se inscrever (porquê?).


Que dados pessoais guardam?

Só guardamos dados que melhorem a nossa missão de criar impacto com um programa educativo. Decidimos ter poucos ou nenhuns dados que possam ser roubados para minimizar os danos em caso de ciberataque.

Guardamos o seu email porque nos permite comunicar consigo sobre a sua conta. Também perguntamos o númeor de crianças que vão usar o programa porque nos permite medir o impacto do nosso trabalho, mas esta pergunta é opcional. Se se regista para uma conta mas não entra no site, apagamos os seus dados pessoais dentro de dias. Se não usa a área de conteúdos do nosso site durante 3 meses, também apagamos os seus dados pessoais.


Usam palavras-passe? O que é um código único?

Para nossa e vossa segurança, deixámos de usar palavras-passe. Quando as passwords são complicadas, os utilizadores esquece-se e pedem uma nova por email. Quando as passwords são simples, os utilizadores usam a mesma em vários sites. Achámos que dar acesso aos conteúdos do Ginja não valia o risco de termos um ciber-ataque em que perdemos a mesma palavra-passe que um utilizador usa na sua conta bancária.

Para tornar o Ginja mais seguro, quando quer entrar no site, enviamos um "código único" (chamado "one-time password") para o seu endereço de email. É semelhante ao código que recebe no telefone para validar uma transacção bancária.


Posso descarregar os vídeos ("download")?

Normalmente, não. Por um lado, queremos evitar pirataria dos nossos vídeos com direitos de autor e garantir a sustentabilidade do projecto. Por outro lado, medimos o impacto do projecto a curto-prazo com a utilização do nosso site e a visualização dos vídeos. Por isso, queremos que a visualização dos vídeos seja em "streaming".

Alguns parceiros com quem trabalhamos têm por vezes uma apresentação importante que requer 100% de garantia contra falhas de internet e do nosso site. Esta é uma situação para parceiros institucionais e pedimos que nos contactem para facilitarmos a situação.

Para escolas que não tenham internet ou salas de aula sem "wi-fi", pedimos que nos contactem para discutirmos o caso, por exemplo com compra de DVDs com os vídeos.


Quem vos apoia?

O Ginja tem orgulho no apoio nacional e internacional de: